quinta-feira, 15 de setembro de 2016

Análise do filme “o garoto selvagem” a luz das teorias estruturalista e gerativista

O trabalho é a analise do filme “O garoto selvagem” segundo as teorias estruturalista e gerativa. Filme que segundo o diretor François Truffaut é uma história verdadeira e começa em uma floresta francesa no verão de 1798.
O filme tem inicio na floresta, onde uma camponesa recolhe frutinhas e alguns grãos. Esta ao se deparar com ruídos estranhos vindos do mato fica assustada e foge. Ao retornar trás com ela caçadores armados acompanhados por cães de caça.
Os caçadores perseguem o garoto mata adentro sem compreender bem o que perseguiam. Foi ao encurrala-lo em um buraco que perceberam tratar-se de uma criança. Nua, suja e com estranha agressividade. Uma criança que aparentava 11 ou 12 anos. O garoto (ator Jean-Pierre Cargol) é apelidada de “Selvagem de Aveyron”. Alimentava-se de grãos e raízes. Não fala, lê ou escreve e sua postura lembra um animal quadrupede.
O incidente é noticiado e a manchete chega às mãos do Prof. Dr. Jean Itard (ator e diretor François Truffaut) que se interessa pelo caso do “garoto selvagem de Aveyron”. A criança é trazida à Paris para que seja determinado seu grau de inteligência e para que seja observado o comportamento de um individuo privado de contratos sociais básicos e escolarização.
Sua chegada em Paris causa grande euforia, pois todos queriam ver o Garoto selvagem. Por aparentar deficiência auditiva a criança é levada a Institution nationale des sourds et moets onde é averiguado que não há deficiência auditiva, mas uma inversão na utilização dos sentidos que resulta em certa indiferença a determinados tipos de som.
Aos olhos da instituição e da sociedade a criança é vista como um “ser inferior” e diagnosticada com retardo, por esse motivo Dr. Itard é informado da possível transferência da criança para uma instituição que trate de patologias mentais. A posição de Dr. Itard com relação ao garoto é oposta, pois não acredita que haja retardo, mas que a criança teve a desventura de ser abandonada na floresta a própria sorte e sua falta de contato com seres de sua espécie transviaram sua conduta social. Este pede a guarda da criança às autoridades com o objetivo de educa-lo. Ao chegar à residência do Dr. Itard a criança é recebida pela governanta. Na casa o menino passa a ser chamado de Victor. O filme é de gênero dramático e seu título original é L’enfant sauvage, dirigido por François Truffour em 1969, conta a história do Dr. Jean Itard na tentativa de descrever as competências do jovem Victor, “o garoto selvagem”.
A análise do filme fará valer os processos de desenvolvimento da linguagem da criança (Victor) a partir de sua chegada à casa de Dr. Itard. Serão feitas observações dentro de duas teorias linguísticas. A primeira é a teoria estruturalista representada por Ferdinand de Suassure que afirma o som como instrumento da linguagem e que este pode ter um lado individual (fala), um lado social (língua) e o lado individual social (linguagem) e a segunda é a teoria gerativa representada pelo teórico Noam Chomsky que apresenta como princípio fundamental do gerativismo a ideia de que número limitado de regras pode gerar um infinito de sequências possíveis. Seu processo é dedutivo, pois parte da abstração (a descrição) para o concreto (a explicação).

Teoria estruturalista

Um dos maiores objetivos do Dr. Itard, sua motivação é a de conseguir reconstituir o contexto histórico do menino. Reconstituir sua vivência no isolamento, mas para isso teve de imergir a criança no contexto social da época e apresentar-lhe o instrumento fundamental da linguagem. O som.
A criança não articulava palavras, emitia ruídos como grunhidos de animal e seria fundamental para objetivos de Dr. Itard que a criança adquirisse uma linguagem com a qual pudesse comunicar de modo consciente.
Durante o filme a criança é apresentada a objetos comuns a cultura em que se encontrava: uma chave, uma tesoura e um martelo. A própria convivência com outras pessoas na tentativa de estimular seu lado social, tornando-o receptivo a língua. Ao mesmo tempo Victor é estimulado a articular sons que representem sua vivência como o simples ato de pedir algo, no caso o “leite”. O filme termina antes de Victor demonstrar uma linguagem para comunicar de modo consciente, pois a junção da vasilha com a fala “leite” parece um gesto simbólico que comunica apenas aquele grupo social onde Victor está inserido.

Teoria gerativa

A partir de sua chegada a residência de Dr. Itard, Victor é apresentado a conteúdos sociais como: sentar-se a mesa para se alimentar, utilizar talheres, vestir roupas, pentear o cabelo, tomar banho. Todo este processo gera conteúdo para utilização da língua e assim exercitar a fala. O conjunto limitado de representações sociais que parecem possibilitar a fala.
Dr. Itard apresenta a Victor ferramentas comuns. No inicio apenas três e depois sequências maiores para que a criança exercitasse o reconhecimento sonoro dos objetos. Durante as atividades o professor pede o objeto e Victor vai até um outro cômodo busca-lo.
Em certo momento do filme o professor troca as imagens dos objetos desenhados na lousa por representações escritas, o que causa desconforto e empatia na criança que passa a abandonar as atividades.
É notório o fato, enquanto as atividades trabalhavam com linguagem visual a criança conseguia passar da abstração para o objeto concreto, não havia perturbações no processo dedutivo. No entanto quando o professor muda a forma de comunicar para linguagem escrita isso causa desconforto na criança que recusa a atividade.
O processo dedutivo que Dr. Itard tenta despertar em Victor não apresenta conclusões no filme, mas o final implica que Victor foi bem sucedido em sua aprendizagem e por ventura na aquisição da linguagem adequada a sociedade da época.

Conclusão

Ao analisar o filme “O garoto selvagem” segundo as teorias estruturalista e gerativa, concluiu-se que o menino Victor ao exercitar sua sociabilidade foi capaz de adequar-se a língua, assim exercita sua fala para comunicar pequenas necessidades como a de uma tigela de leite. Logo, o contato social do garoto com o mundo civilizado organizou a articulação da fala para que essa fosse utilizada de modo consciente para comunicar aos da mesma espécie.
Os estímulos para os processos de dedução contribuíram para comunicação e raciocínio lógico. Importante para que a linguagem passe da mera descrição para algo explicativo.


REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA

BORGES NETO, José. O empreendimento gerativo. In: MUSSALIM, Fernanda; BENTES, Anna Christina (Org.). Introdução à linguística: fundamentos epistemológicos. São Paulo: Cortez, 2005. p. 93- 129

INFOESCOLA. Teoria Gerativa de Noam Chomsky. Disponível em: http://www.infoescola.com/comunicacao/teoria-gerativa-de-noam-chomsky/. Acesso em: 06 Set 2016

SAUSSURE, Ferdinand de. Curso de linguística geral. São Paulo: Cultrix, 2012

TRABALHOS DE PSICOLOGIA. O garoto selvagem de Averyon. Disponível em: http://www.notapositiva.com/trab_estudantes/trab_estudantes/psicologia/psicologia_trabalhos/meninoselvagem.htm. Acesso em: 06 Set 2016


YOUTUBE. O garoto selvagem. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=K6GZPuxuBTU&list=LL-1WN7RgAkbdHdU2MDyU8mw&index=2. Acesso em: 05 Set 2016

19 comentários:

  1. Que interessante análise. Fez-me voltar aos tempos em que eu cursava Letras, na Unesp.

    ResponderExcluir
  2. Muito boa a análise, bem feita. Gostei

    ResponderExcluir
  3. Sua análise é muito boa, é um filme bastante interessante, uma pessoa que foi criado numa floresta não tem alguns conhecimentos, abraços.

    ResponderExcluir
  4. Interessante essa forma de análise, não conhecia esse filme, gostei de saber sobre esse filme através dessa análise.

    ResponderExcluir
  5. Olá Myke!Análise bem interessante,gostei de conhecer o filme com uma história verdadeira,que bom que o Victor foi bem sucedido em sua aprendizagem.Abraço!

    ResponderExcluir
  6. Oi,
    Muito interessante sua análise sobre o filme. Não vi o filme, mas confesso que fiquei com vontade de ver.
    Abrçs

    ResponderExcluir
  7. Olá! Tenho quer confessar que não conheço esse filme, mas gosto muito de assistir nas minhas horinhas vagas, suas considerações foram bastante interessantes...me deixou curiosa.
    Já estou seguindo seu blog,
    Abraços

    ResponderExcluir
  8. NÃO CONHEÇO ESSE FILME,MAIS GOSTEI DA HISTORIA,PARABÉNS PELO POSTE ABRAÇO

    ResponderExcluir
  9. Parabéns pela análise do filme, realmente o garoto selvagem é um filme muito interessante, excelente para entender um pouco mais sobre o comportamento do ser humano em relação ao diferente, tbm como a socialização e educação caminham juntas.

    ResponderExcluir
  10. Sua análise ficou bem legal, eu que não curto muito ver filmes fez chamar atenção para esse, vou mostrar a minha irmã que curte mais do que eu, assim poderemos ver juntos (eu e ela)

    Abraços
    Rafael

    ResponderExcluir
  11. Não conhecia o filme mas teve uma analise super bem feita.

    Bjokas da Vaci 😘

    ResponderExcluir
  12. Muito bem concluído sua análise,è o que realmente acontece com uma criança que cresce numa floresta, convivendo com a civilização se adaptando.Parabéns.Muito bom!

    ResponderExcluir
  13. MUITO BOA A SUA ANÁLISE AMIGO.
    É INTERESSANTE SABER UMA HISTÓRIA DE UM MENINO QUE CRESCEU NUMA FLORESTA E DEPOIS ESTÁ SE ADAPTANDO A CIVILIZAÇÃO.PARABÉNS PELO POST.bJSS

    ResponderExcluir
  14. Não vi o filme, mas imagino que deve ser uma transição um tanto o quanto difícil. Gostei da sua análise!
    Minda
    Bjs ❤

    ResponderExcluir
  15. Uma história bem interessante amigo e muito bem explicada.Bjs.

    ResponderExcluir
  16. Nossa, super interessante o filme e ainda mais com essa análise que nos faz querer ainda mais conferir o filme!

    ResponderExcluir
  17. Bem interessante a análise uma boa história de adequação acho mesmo que vale a pena conferir.Abraço

    ResponderExcluir
  18. Parece muito bom,o filme!Lembrou-me de Tarzan e Mogli,o menino lobo.
    Adorei o post!
    Abraço.

    ResponderExcluir
  19. Que post maravilhoso!
    Eu creio que não tenha visto o filme,Ka vi tanto filme q as vezes me esqueço do nome.
    Sua análise foi sensacional!
    Obrigada por compartilhar!
    bjus

    ResponderExcluir