quinta-feira, 6 de outubro de 2016

Piaget e a epistemologia genética

Jean Willian Fritz Piaget é um dos autores mais influentes do século XX. A sua importância vem do volume de sua obra, por volta de 70 livros e mais de 200 artigos. Piaget faleceu aos 83 anos no ano de 1980. O ponto essencial de sua obra é o estudo da inteligência e construção do conhecimento.
A epistemologia genética trata do desenvolvimento da inteligência e da construção do conhecimento. Epistemologia é a filosofia da ciência, ou seja, a parte que estuda o fenômeno da ciência e genética significa um estudo da construção do conhecimento. Sua obra responde uma pergunta: "Como os homens constroem conhecimento?", ou seja, como o homem passa do conhecimento x para o conhecimento x+1 e esse foi o problema que tentou resolver durante toda sua vida.
Como a criança é o ser que mais evidentemente constrói conhecimento, Piaget concentrou seu trabalho com crianças, mas sua pergunta não é de psicologia da criança. Sua pergunta é epistemológica: "como os homens sozinhos ou em conjunto constroem conhecimento?", por esse motivo sua obra fala sobre inteligência e construção do conhecimento.

Inteligencia

Para Piaget a inteligência deve ser definida enquanto função e enquanto estrutura. Função é o processo de adaptação, pois os processos da inteligência leva o sujeito a sobreviver, adaptar-se ao meio, modificar o meio para adaptar-se melhor a ele. Enquanto estrutura é a organização dos processos que permitem, se a organização for complexa um nível de conhecimento superior e se for menos complexa um nível de conhecimento inferior. O crescimento da inteligência não se dá por acumulo de informações, mas pela reorganização dessa própria inteligência, ou seja, crescer é reorganizar a própria inteligência para ter maior possibilidade de assimilação.

Conceitos
  • Assimilação

Conceito retirado da biologia. Na sua psicologia assimilação significa entrar em contato com o objeto de conhecimento e retirar desse objeto de conhecimento algumas informações e essas informações e não outras. Logo, assimilação significa interpretar o mundo apropriando-se elementos para resolver problemas e deixar outros elementos de lado.
  • Acomodação
As estruturas mentais, entenda-se por estrutura mental a organização da pessoa para conhecer o mundo, são capazes de se modificar para dar conta das singularidades do objeto. Se pensarmos assimilação e acomodação podemos dizer que assimilar é conhecer o objeto, mas como o objeto apresenta certas resistências a organização mental se modifica e a essa modificação se dá o nome de acomodação. Logo, o processo de inteligência é um processo de assimilação e acomodação.
  • Equilibração
Equilibração vem da ideia de equilíbrio. O sujeito ao entrar em contato com o objeto novo entra em conflito com esse objeto no sentido de desequilibrado. O objeto não se deixa conhecer facilmente, pois possui suas singularidades e para conhecer esse objeto é necessário acomodar, ou seja modificar para dar conta do novo conhecimento, então, equilibração na verdade é a constante busca de estabilidade do conhecimento. O crescimento da inteligência se dá pelo processo de desequilíbrio e equilíbrio em processo dinâmico. Por isso equilibração.
  • Abstrações empírica e reflexiva
Abstrações empíricas são as informações retiradas do objeto do conhecimento, é abstração empírica pois estou retirando informações do objeto do conhecimento, porem no processo de retirar essas informações, também pode ser pensado o relacionamento do sujeito com o objeto. As ações sobre esse objeto.
Abstração reflexiva é a informação retirada da ação sobre o objeto. Por exemplo, tenho dois carros de brinquedo, sendo que um é amarelo e o outro é verde, ao observar os carros percebo a diferença nas cores, faz-se comparações. Esse é o pensar sobre o agir, diante do objeto. Piaget diz que a construção do conhecimento se dá por Abstração empírica e abstração reflexiva. O processo de desenvolvimento da inteligência se dá pelo agir e pensar sobre esse agir.

  • Estágios
O desenvolvimento da inteligência não é linear, ou seja, simplesmente por acumulo de informação, mas um desenvolvimento que se dá por saltos, rupturas. Os estágios representam uma lógica da inteligência que será superada por um estágio mais avançado que apresenta outra lógica do conhecimento. Cada estágio representa uma qualidade da inteligência. Piaget definiu três estágios: Sensório-motor (0 a 24 meses); pré-operatório (02 a 07 anos) e; operatório (07 anos em diante). Dentro do estágio operatório Piaget fez a divisão em operatório concreto (07 a 12 anos em média) e operatório formal (12 anos em diante).

  • Estágio Sensório-motor
Antes dos trabalhos escritos por Piaget acreditava-se que a inteligência dava-se a partir da linguagem, ideia essa que ainda é muito forte em algumas pessoas. Esta fase do desenvolvimento de 0 a 2 anos é extremamente rica, pois demonstra que a inteligência começa a se estruturar muito antes da linguagem e por tanto nesse período de 0 a 24 meses são feitas uma série de conquistas cotidianas onde pequenos passos são dados para possibilitar a criança falar.
Segundo Piaget a inteligência é anterior à fala, pois a criança tem sobre o que falar porque esta construiu esse mundo, sobre o que falar, antes. Nesse estágio pode ser observada uma inteligência pré-verbal, uma inteligência sem linguagem, uma inteligência sem comunicação verbal com o outro. Este estágio também é chamado de inteligência prática, pois a criança comunica-se por meio de suas ações e percepções.
Objeto - a criança não tem noção ou clareza de que no universo onde se encontra há objetos e que está é um objeto entre estes objetos. O estágio sensório-motor é onde a criança constrói a noção de objeto. O objeto permanente é aquele objeto que embora não esteja perceptível, sei que existe. A criança aprende que algo existe mesmo que não esteja no seu campo de percepção, assim pode procura-lo.
Causalidade - é a fase em que a criança percebe que o mundo não se move a partir de sua vontade. É o momento onde começam a ser construídas as regras de movimento dos seres, objetos e que essas regras se aplicam a própria criança.
O período sensório-motor é o momento de construção de real e do próprio universo infantil onde as crianças apresentam a relação de meios e fins. É apresentado a criança o universo de leis objetivas. Ou seja, você apresenta um objeto a criança e depois cobre esse objeto com cobertor. A criança não tem noção que puxando o cobertor poderá entrar em contato com o objeto, no entanto por volta de 9 ou 10 meses a criança já consegue mover um objeto para poder apropriar-se de outro.

  • Estágio Pré-operatório
O estágio pré-operatório começa a partir dos 2 anos de idade, ou seja, há melhora na qualidade da inteligência e que Piaget chama de estágio da representação que é a capacidade de pensar um objeto através de outro objeto. A inteligência que era anteriormente uma inteligência em ação é agora uma inteligência em representação. A criança começa a organizar suas ações de modo coerente para que possa operar no seu universo de representações.
Piaget apresenta esta fase como uma das mais difíceis para criança, pois muitas das representações desta fase só serão superadas no estágio operatório.
Introdução à linguagem - é o momento de socialização da inteligência, porque a linguagem permite a comunicação.
Introdução à moralidade - é o momento em que a criança entra no mundo dos valores, das regras, das virtudes, certo, errado e esse é o momento evidentemente importante.
Egocentrismo - é a dificuldade da criança em perceber o ponto de vista do outro, pois está vê o ponto de vista do outro centrada em seu próprio ponto de vista. O exemplo disso é o fato da criança contar um fato como se a pessoa que escuta já soubesse a estória.
  • Estágio Operatório
Piaget observou na fase Pré-operatória o que falta para criança chegar na fase operatória. Operação é uma ação interiorizada reversível. No sensório-motor a criança tem ação, no pré-operatório a criança tem ação interiorizada e no operatório está ação é reversível, ou seja, a possibilidade de pensar a ação e pensar a anulação desta ação.
Sentimento de necessidade - nesta fase a criança vê as coisas como necessárias. No pré-operatório as coisas são prováveis e já no operatório são necessárias se deduzidas a partir de um raciocínio.

Estágio Operatório concreto e formal
O operatório concreto é a fase onde a criança trabalho com objetos comuns a sua experiência, ou seja, articula suas vivências. Operatório formal é a fase em que a criança trabalha com ideias, hipóteses e planos de ação.


Referência Bibliográfica

LIMA, Lauro de Oliveira. Piaget para principiantes. São Paulo: Sammus, 1980. 284p.


OS PENSADORES, Coleção. Jean W. F. Piaget: Epistemologia genética. São Paulo: Abril cultural, 1975

12 comentários:

  1. GOSTEI DO POSTE,SEMPRE É BOM VER POSTAGEM INTERESSANTE COMO ESSA,APRENDEMOS MAIS UM POUCO,PARABÉNS PELA POSTAGEM SEU BLOG É LINDO PARABÉNS

    ResponderExcluir
  2. Quanta sabedoria um ser pode carregar consigo, só cabe a si próprio decidir, levar aos seus semelhantes, ou não! Bela obra.
    beijos

    ResponderExcluir
  3. Aprendemos a partir do momento do nascimento, claro que certos conceitos e conhecimentos precisamos de um instrutor, mas a vida ao meu ver é nossa maior escola ..

    Bjos
    Minda ❤ 😍

    ResponderExcluir
  4. Amo vim ao seu blog e ver coisas tão intelectual... adoro! bjs e sucesso!

    ResponderExcluir
  5. Adorei saber mais sobre ele é seu estudo!o post está super informativo!
    bjus

    ResponderExcluir
  6. nossa muito interessante aprendi mais esta adorei

    ResponderExcluir
  7. Amado muito interessante! gosto de sempre aprender e gostei muito em saber sobre Jean Willian Fritz Piaget, beijinhossssssssss

    ResponderExcluir
  8. O tempo passa, mas as ideias de Piaget prevalecem ao tempo.
    Parabéns por nos proporcionar essa leitura!
    Abraço,
    Ozenilde

    ResponderExcluir
  9. Poxa! é ótimo poder ter um pouco deste conhecimento! Obrigado por essa maravilhosa leitura!

    ResponderExcluir